Lucas Oliveira 1455 897x494 - Atividade põe alunos diante da realidade da profissão

Como parte das atividades da Semana do Design, evento que engloba as raízes do setor como moda, gráfico e interiores, alunos do 3º e 4º período do curso de Design de Interiores, da Faculdade de Boa Viagem (FBV), projetaram dois ambientes, uma sala de estar e outra de jantar, para simular a prática diária de um arquiteto em atuação. Sob orientação dos professores Alexana Vilar e Hugo Cavalcanti, 16 alunos tiveram cerca de dois meses para idealizar os espaços, projetá-los virtualmente, entrar em contato com as lojas e montar os ambientes que ficaram expostos durante a Semana.

Marcas como Domodi, Urban Arts, B & M Iluminação e A Carneiro Home & Office apoiaram a ação, que é pioneira na unidade de ensino, e disponibilizam móveis e peças de decoração para os estudantes. “Foi muito importante a parceria com as lojas, pois os alunos conseguiram entender como acontece o relacionamento entre profissional e lojista”, pontua Alexana.

De acordo com ela, o exercício ofereceu uma noção mais ampla do que acontece na realidade da profissão. Ela explica que sair da zona teórica e partir para uma prática mais aprofundada permite que o aluno finalize a faculdade um pouco mais amadurecido e ciente das diversidades que acontecem no dia a dia do profissional. “Nem sempre o que planejamos acontece. Por vezes o cliente não gostou de algo, ou se apaixona por alguma peça ou na hora da montagem o objeto não ficou legal e você precisa adequá-lo as proporções e dimensões do lugar, ou até o móvel que você imaginou para o ambiente não está disponível no mercado. Para estas e outras coisas que surgem é preciso ser flexível e criar possibilidades que solucionem as dificuldades, e para ter sucesso nisso é preciso de prática”, destaca ressaltando que a ideia é que mais atividades com esta aconteçam na faculdade.

Lucas Oliveira 9835 897x494 - Casapronta comemora 30 anos

Foto: Lucas Oliveira
Foto: Lucas Oliveira

Há 30 anos o bairro de Boa Viagem se tornava endereço de uma galeria voltada exclusivamente para o setor da decoração. Consolidado hoje como ponto de encontro e serviço para profissionais e interessados na área, o Shopping da Decoração abriga desde sua inauguração uma das lojas recifenses que mais oferece tendências e produtos nacionais do ramo. Em três décadas de funcionamento, a Casapronta se destaca e se torna referência quando o assunto é design e decoração.

O ano era 1986 e a empresária Dóris de Souza deu o pontapé que segmentaria o empreendimento da família. De frente a organização da lista de futuros logistas, ela percebeu que havia uma grande procura por espaços que oferecessem serviços de decoração e arquitetura e então decidiu estabelecer o perfil do negócio da família. Decidiu ainda ousar: inaugurou sua própria loja de mobiliário apostando na qualidade e no design dos itens. Hoje, com 900 metros quadrados, a Casapronta se sobressai pela aposta em produtos atemporais criados por designers e fábricas nacionais.

“Apesar de não ter experiência e não ser no setor, apostei na ideia e comecei a desenvolver um gosto pela decoração. Meu ex-marido tinha uma marcenaria e convidamos a arquiteta Maria do Loreto Wanderley para desenvolver móveis com o intuito de criar um padrão no mobiliário que iríamos vender”, conta Dóris. Junto aos armários assinados por Loreto, a primeira cartela de itens da loja foi completada por móveis de madeira natural, camas da Coleção Armazém e as cadeiras de Carlos Motta.

Após a abertura da unidade, os próximos passos da empresária foram dados sob indicação de profissionais da área, mas, principalmente, de forma intuitiva. Aliás, para Dóris a intuição foi e é um dos recursos mais bem sucedidos quando o assunto é escolha de produtos para comercialização na loja. “Em determinados segmentos, é necessário fazer uma pesquisa de mercado para traçar um norte aos negócios. Mas, no setor da decoração, onde existe muita arte envolvida, é preciso ter sensibilidade e um olhar apurado. É importante ter um gosto refinado e um feeling. Às vezes existem produtos que o mercado não aceita, mas se você sentir que ele tem valor e apostar, é bem provável que ele surpreenda os clientes e se torne inovador, como aconteceu no começo da trajetória da loja com as vendas da cama Patente que, mesmo sendo algo nada habitual, foi um sucesso e garantiu crescimento logo no primeiro ano de Casapronta”, afirma.

No entanto, a empresária destaca que a cautela foi um dos principais fatores que manteve a marca forte em tempos onde muitas lojas do segmento fecharam as portas. Ela pontua que o segredo está em caminhar devagar e optar por passos mais seguros. “Às vezes as pessoas entram em estado de euforia, se deslumbram e acabam se atrapalhando ao longo do processo. Conseguimos pôr os pés no chão, traçar metas, ter foco e apostar com segurança, tudo para manter a qualidade no mobiliário e a credibilidade, atributo que hoje é um dos nossos patrimônios ”, explica.

O showroom da loja dispõe de marcas, com exclusividade em Pernambuco, como MBrasil/Louis Kazan, Adresse, Clássica Design, Decameron Design, Sérgio Rodrigues, Ecovi, Sérgio Fahrer, Jaqueline Terpins, Larco, Shuster, Tapetes Avanti e Estúdio Bola. “São marcas que tem valor por não perder o design. Elas têm estilo atemporal e atual”, pontua.

Em relação aos projetos para o futuro, Dóris destaca: “Meus planos são de aprimoramento e refinamento. Treinar e qualificar cada vez mais a equipe. A ideia não é crescer em tamanho, mas sempre em qualidade”, destaca.

Celebração

Em comemoração às três décadas de funcionamento, a Casapronta promove no próximo dia 27, a partir das 19h, a festa “Trinta anos entrelaçados”. O evento terá cenografia assinada pela arquiteta, cenógrafa e light designer Séphora Silva, que também vai ambientar a vitrine da loja. O conceito inicial do espaço será a projeção do futuro, tendo como ponto de partida as linhas de construção da cadeira Magis.

A Casapronta vai aproveitar o momento para relembrar todas as 135 vitrines já decoradas na loja promovendo uma mostra fotográfica com as diferentes roupagens do espaço durante os 30 anos. A festa também marcará o lançamento da exposição de peças de José Zanine Caldas – falecido em 2001. Considerado um dos mestres do design brasileiro, e reconhecido internacionalmente, foi precursor do uso responsável da madeira na arquitetura e engenharia nacional.

unnamed 54 444x494 - Pompeia- A vida de uma cidade Romana

unnamed-54

Uma comunidade formada por apenas alguns milhares de homens e que tem um impacto ainda imensurável na narrativa da história romana. Devastada por uma das maiores erupções do Vesúvio em 79 d.C, Pompeia permanece no imaginário de pesquisadores, arqueólogos e curiosos em geral. A literatura sobre a tragédia e o povo, que vivia a cerca de 20 km de Nápoles, é farta e, em sua maioria, afirma que a cidade foi congelada no meio do caminho. Esta, no entanto, é justamente uma das principais ideias refutadas pela especialista em classicismo Mary Beard no livro “Pompeia, a vida de uma cidade romana”, que chega agora ao Brasil pela Editora Record.

Logo nas primeiras páginas da narrativa, a escritora relembra a fuga dos moradores e os sinais de alerta que o povo teria recebido horas ou dias antes da erupção. Em seguida, Beard percorre as inúmeras descobertas encontradas nas escavações e revela curiosidades, como a possibilidade de alguns dos esqueletos não pertencerem às vítimas do vulcão, mas serem de pessoas que se arriscaram a voltar à cidade meses, anos ou séculos depois. Este é o caso, por exemplo, de dois homens e uma criança encontrados com uma picareta e uma pá. Eles seriam um grupo de saqueadores soterrados pelas ruínas.

Por meio de centenas de ilustrações, mapas, plantas baixas e fotografias, a autora apresenta no livro a vida de Pompeia no mundo antigo propriamente dito e a recriação moderna da antiga cidade. Os limites entre o que foi descoberto nas escavações, a porção da região ainda não explorada e as alterações geográficas demarcadas para o turismo fazem com que a autora não concorde com a ideia de que a cidade parou no tempo.

 

Pompeia – A vida de uma cidade romana

Mary Beard

Editora Record

WhatsApp Image 20160517 2 897x494 - Porto Social: projeto para estimular ONGs no Recife

Inspirado no trabalho feito no Porto Digital, com as startups brasileiras, nasce um projeto idealizado para servir como suporte no estímulo e desenvolvimento de ONGs. O Porto Social chega com a proposta de ser ambiente de criação e fomentação de projetos sociais que tragam transformações positivas para a sociedade em geral. Além disso, o espaço será ponto de curso e aulas sobre empreendedorismo. Aliás, o endereço inaugurado neste mês, foi planejado pelo arquiteto Romero Duarte que apostou em um projeto colorido que fosse um incentivo à criatividade e a produtividade. Localizado na Ilha do Leite, a instituição funciona em um prédio de 2 mil metros quadrados cedido pela Interne Educação, patrocinador da iniciativa.

O local possui recepção, sala de criatividade, auditório com cadeiras e puffs, snack bar, três salas de reunião e estações de trabalho individuais e integradas. “São ambientes com um visual que remete às agências de publicidade com o uso das cores que estimulam a criatividade por meio de materiais leves, como os palettes, da Ecohus”, aponta.

“Como a ideia é atender cerca de 50 organizações, o projeto precisava oferecer infraestrutura para elas, já que geralmente muitas ficam em espaços que não possuem salas e equipamentos de trabalho, como ambientes residenciais”, explica o arquiteto.

Todo o mobiliário foi desenhado pelo escritório Romero Duarte & Arquitetos e fabricado com compensado naval sem acabamento para dialogar com os palettes. Algumas marcar firmaram parceria com o Porto Social e cederam itens para compor a ambientação do espaço que conta com cadeiras da Tramontina, tapetes da Adroaldo, objetos de decoração e alguns móveis da Ferreira Costa, que também participou do projeto de iluminação junto a Allumé. Para compor o ambiente, o artista Rafa Matos produziu graffiti nas paredes do local.

Porto Social
Rua Marquês Amorim, 356 B – Ilha do Leite. Recife-PE
Horário de atendimento: Segunda a sexta-feira 9h – 11h | 15h – 17h
Fone: 81 3132-2190