Francisco. Marília Sobral.. - Prédios contam histórias
Edifício Francisco Ribeiro (Foto: Marília Sobral).

Prédios contam histórias

Pouca coisa é capaz de contar uma história tão bem, quanto os prédios antigos, que carregam em suas estruturas, memórias de uma vida inteira. Eles são testemunhas de momentos marcantes de várias épocas e que há séculos sobrevivem através de processos de restauração que permitem com que suas características originais sejam preservadas e que apenas poucos detalhes sejam mudados para se adaptar as necessidades atuais. É o caso do conjunto de construções da Fundação Joaquim Nabuco(Fundaj), o Francisco Ribeiro Pinto Guimarães, em Casa Forte e o Delmiro Gouveia, em Apipucos, ambos em Recife. Eles foram construídos no século XIX e fazem parte da arquitetura clássica. As obras de restauro duraram dois anos e tiveram como foco a reforma nas suas estruturas internas.

“Todo processo de restauro começa com o conhecimento da edificação: saber como ele foi construído, quais foram as técnicas utilizadas, materiais que compõe sua edificação, sua história, as mudanças e intervenções que sofreram ao longo do tempo e a partir daí pode-se começar o projeto. Toda intervenção é criteriosa, discutida em equipe e também com os órgãos de fiscalização quando o edifício é tombado”, explica o arquiteto da Fundaj, Cristiano Borba.

O casarão Francisco Ribeiro, que fica na sede da Fundaj, viu as madeiras que vedam suas portas e janelas serem trocadas, assim como as das cobertas e a estrutura da escada. A construção se destaca pela sua imponência e luxuosidade. Possui um piso delicado formado por pedaços de madeira encaixados, um teto de gesso rebuscado de detalhes e a escada digna de uma cena de filme. “Sua intervenção foi mais cuidadosa e delicada. Ele é registrado pela lei municipal de preservação da Prefeitura do Recife, transformando-se assim, em um Imóvel Especial de Preservação, ficando impedido de ser descaracterizado da sua forma original”, esclarece Cristiano. O imóvel abriga hoje galerias de arte.

A restauração realizada no Delmiro Gouveia, ficou focada no seu primeiro andar. O objetivo foi trabalhar ao máximo para deixá-lo mais funcional ao público, já que ele vai abrigar a Vila Digital da Fundaj e a Coordenação Geral de Estudos da História Brasileira (Cehibra). Peças de madeira do assoalho foram trocadas, além da fiação elétrica. Houve também a instalação de banheiros, elevador e uma plataforma de locomoção para garantir o fácil acesso.

“ Para preservar é necessário intervir. E para isso é necessário ter conhecimento sobre os materiais utilizados. A ideia principal é manter a autenticidade, tanto na composição, como na dos materiais construtivos e a estética utilizada. O que vai nortear é a preservação do material original, esse é o primeiro passo, depois é a adequação do edifício ao seu novo uso”, explica o arquiteto da Fundaj, Ronaldo L’Amour. Na obra os profissionais estão sujeitos a vários tipos de surpresas, como a descoberta de um tipo de madeira que não era aparente, por exemplo. Hoje os arquitetos já estão dando início a um plano de conservação para evitar as restaurações. “O ideal é acompanhar, realizar a manutenção e continuar inspecionando. Essa seria a condição ideal”, defende Cristiano.

Para quem não sabe, as edificações receberam esses nomes, devido aos seus primeiros moradores. Francisco Ribeiro era um aristocrata do açúcar e Delmiro Gouveia, foi um influente comerciante de peles e couros do Recife. Outro bem da Fundação é o edifício Ulysses Pernambucano, que desde 1980 não passava por reformas. Ele é conhecido como a Fundaj do Derby, que abriga o famoso cinema da Fundação. Após a reforma, que só deve ser finalizada no começo de 2017, a construção terá uma espaço mais moderno, com janelas abertas para o rio Capibaribe.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Leia Mais
revistaSIM Arquitetura Apartamento de 40m DESTAQUE Credito Guilherme Pucci 390x390 - Prédios contam histórias
Apartamento de 40m² chama a atenção pelas soluções utilizadas